Uncategorized

Say my name!

Em 2012, no oeste do Texas, um professor de química, de meia idade, almoçava na cantina de Linden-Kildare Junior High School, onde lecionava, quando vários policiais entram na escola e o prendem.

William Duncan, ao ser preso falou que usava drogas para dores musculares. Sua caminhonete foi encontrada com a droga, que ele mesmo produzia e vendia nas proximidades da escola.1

Neste caso de Duncan vendia uma droga bem famosa pela série de televisão norte Americana, Breanking Bad, a metanfetamina.

Figura 1 – Walter White Breaking bad

A metanfetamina também pode ser chamada de N-metil-1-fenilpropano-2-amina, na IUPAC, de fórmula C10H15N, e possui uma peculiaridade. Este composto em sua síntese apresenta dois isômeros, o S-(+)-metafetamina e o R-(-)-metanfetamina. Caso você queira comprar metanfetamina é simples, basta você importar o VapoInhaler  Vicks©, que contém a porção R do composto e é vendida livremente nas farmácias dos EUA como descongestionador nasal. 2 Entretanto a porção S do composto tem sua função biológica muito diferente, este isômero atua no sistema nervoso central liberando os neurotransmissores dopamina, noradrenalina e serotonina, que dão ao usuário euforia, aumento dos batimentos cardíacos, ansiedade e irritabilidade, além de ser altamente viciante.3

Figura 2 – enantiômeros da metanfetamina.

Figura 3 – Rota sintética da metanfetamina.

A metanfetamina é um derivado da anfetamina, onde ao invés de um grupo metil (em azul na Figura 1) teríamos um hidrogênio.

A anfetamina foi sintetizada na Alemanha em 1887 pelo químico romeno Lazar Edeleanu, e foi largamente utilizada na Segunda Guerra Mundial como estimulante para soldados se manterem capazes no campo de batalha. Esta droga foi utilizada posteriormente a guerra por pessoas que necessitavam ficar acordadas por um longo período de tempo, pois as anfetaminas dão um estado de alerta ao usuário, aumentando a autoestima e a percepção. Pode também, diminur o sono e o cansaço, por isso também era utilizada por estudantes para conseguirem bons resultados em avaliações.  Os famoso “rebite” é usado por caminhoneiro e é derivado de anfetaminas, assim como a “bolinha”, utilizado por estudantes, ambos são altamente prejudiciais ao organismo. Abaixo segue uma tabela com os nomes comercialmente conhecidos dessas drogas:

Tabela 1 – Nomes comerciais de alguns medicamentos à base de drogas do tipo anfetamina, vendidos no Brasil.

Anfetamina utilizada Nome comercial
Dietilpropiona ou Anfepramona Dualid S; Hipofagin S; Inibex S; Moderine
Fenproporex Desobesi-M; Lipomax AP; Inobesin
Mazindol Dasten; Fagolipo; Absten-Plus; Diazinil; Dobesix
Metanfetamina Pervitin*
Metifenidato Ritalina

Fonte: Dados obtidos do Dicionário de Especialidades Farmacêuticas – DF – ano 1996/1997. Disponível em: <goo.gl/RDJu9W>, Acesso em: 24 de ago. de 2016.

Figura 4 – Utilização de anfetaminas para aumentar a concentração nos estudos.

Existem também, tratamentos médicos que utilizam as anfetaminas, como exemplo no auxílio do tratamento do transtorno de déficit de atenção (TDAH) e para narcolepsia, que é um distúrbio caracterizado pela sonolência excessiva.4

Como mencionado anteriormente a metanfetamina é uma droga, mas realmente você sabe o que significa?

Pela definição da palavra droga no dicionário5 temos que: “Qualquer composto químico de uso médico, diagnóstico, terapêutico ou preventivo. Substância cujo uso pode levar a dependência”. Neste ponto podemos chamar qualquer substância vendida em drogarias ou farmácias, de droga, ou seja, fármacos e remédios são drogas, porém este termo é comumente utilizado para substâncias ilícitas. Neste caso existem as duas classificações de substâncias ou drogas: Lícitas, que podem ser vendidas normalmente em farmácias e lugares especializados, que são permitidas por lei; Ilícitas, que não podem ser vendidas em nenhum lugar do território do país, pois são proibidas por lei.

A metanfetamina pode ser classificada como uma droga lícita e ilícita, dependendo do isômero a ser fornecido, onde seu isômero R-(-) metanfetamina é lícito enquanto que o S-(+) metanfetamina é ilícito. Vale lembrar que provavelmente você faz uso de drogas o tempo todo, porém não se dá conta, por exemplo, a cafeína é um composto presente em vários remédios, utilizado para compensar a sonolência que o princípio ativo pode gerar, além de tomar um pouco da substância toda manhã, que está presente no café e no chá (camellia sinensis).

Figura 5 – Cafeína é uma droga usual.

Outro composto bem conhecido do meio Forense é o safrol, um composto orgânico com o nome usual de óleo de sassafrás, que é amplamente utilizado pela indústria como antisséptico, inseticida, desinfetante e na produção de perfumes, que é precursor do piperonal é utilizado como fixador para perfumes.

A partir do piperonal, Albert Ladenburg (1842-1911) e M. Scholtz sintetizaram em 1894 a piperina (o principal alcaloide da pimenta), por reação com acetaldeído seguida de tratamento com acetato de sódio e anidrido acético: o ácido piperonílico formado reage com a piperidina para formar a piperina (cf. Ladenburg & Scholtz, 1894). Atualmente apenas duas espécies químicas continuam a ser obtidas industrialmente a partir do safrol: o piperonal e o butóxido de piperonila (PBO), o primeiro para uso em perfumaria, o segundo na indústria de inseticidas, como sinergista das piretrinas. (MAAR, 2012).

O safrol foi utilizado, também, como aromatizante de bebidas, porém tal prática foi descontinuada ao reconhecerem o safrol com propriedade cancerígenas. O óleo de sassafrás é extraído de várias plantas, porém uma em especial foi muito usada, a Canela-de-sassafrás (Ocotea odorifera) que contém grande quantidade da substância, e por sua extração pouco fiscalizada hoje é uma espécie ameaçada de extinção. O eugenol, ou óleo de cravo, é produzido industrialmente através do safrol, pois é mais vantajoso fazer sua síntese do que extrair diretamente do cravo da índia. Além dessas funções o safrol também é base de outra droga sintética das anfetaminas, o Ecstasy, quimicamente chamado de, 3,4-metilenodioximetanfetamina (MDA).6

Figura 6 – Representação da estrutura molecular do Safrol e do MDA.

A Canela-de-sassafrás é originária do Brasil, principalmente da região sul do Brasil, de onde sua produção ainda era mantida. Vendo essa possibilidade de fácil acesso ao produto base de Ecstasy vários laboratórios foram montados buscando esta fonte de recursos, dois deles foram fechados em 2010, um em Imaruí (SC) e outro em Pinhais (PR), que produziam grande quantidade da droga. Elisaldo Carlini, professor de pós-graduação da Unifesp, falou para a FANAFEP*, sobre a produção do MDA em laboratórios clandestinos: “Tem de ter um profissional com formação universitária de químico ou algo semelhante”. 7

O Ecstasy ou Êxtase tem ação biológica próxima da metanfetamina, que estimula o sistema nervoso central, causando diminuição do apetite, aceleração do batimento cardíaco, aumento da temperatura corporal e provoca acúmulo de água nos rins, reduzindo o volume de urina. Após alguns dias da ingestão, o usuário poderá sentir insônia, fadiga e depressão. O uso frequente da droga causa disfunção do sistema imunológico e pode provocar problemas psiquiátricos graves, como síndrome do pânico e esquizofrenia.8

O safrol, eugenol e piperonal, podem facilmente servir de base para várias anfetaminas, justamente por suas estruturas químicas.

Resultado de imagem para eugenolResultado de imagem para Piperonal.

Figura 7 – Representação da estrutura molecular do Eugenol e do Piperonal.

Uma das drogas mais antigas e mais utilizadas ainda hoje é o álcool, proveniente de bebidas fermentadas, como a cerveja ou destiladas, como vodca e cachaça, entre outras bebidas que contém graduação alcóolica. Esta droga tem uma alta quantidade de usuários e é extremamente fácil de consegui-la, devido ao fato de ser lícita. A fórmula estrutural do Etanol, ou álcool etílico, é simples:

Resultado de imagem para etanol molecula

Figura 8 – Representação da fórmula estrutural do etanol.

Este composto pequeno tem um poder catastrófico, porém não tão destrutivo quanto às anfetaminas, mas de caráter próximo, pois causa muito mais mortes do que qualquer outra droga. A ação biológica da droga no corpo é característica pela euforia, perda das inibições sociais, agressividade, como também algumas pessoas ao contrário de eufóricas tornam-se sonolentas. Geralmente estas tem menos tendência de desenvolver o alcoolismo crônico.

Quando a ingestão de álcool ainda não é cessada nos primeiros sintomas temos a diminuição da frequência das batidas do coração, queda da pressão arterial, depressão respiratória e vômitos, que podem ser eventualmente aspirados e chegar aos pulmões provocando pneumonia entre outros efeitos colaterais perigosos.10

Além disso, o alcoolismo pode ter muitos outros danos, não apenas para o usuário de álcool, mais para todos que fazem parte do convívio social do alcoólatra e isto também se aplica aos outros dependentes químicos.

Estas foram algumas das drogas que separamos para falar nesta edição. Focamo-nos mais em drogas sintéticas, principalmente as anfetaminas. Caso escrevêssemos sobre todas as drogas precisaríamos de mais algumas páginas. A seguir uma lista de algumas drogas famosas e suas fórmulas.

Figura 9 – Cocaína, [3.2.1]octano-4-carboxílico

Figura 10 – THC(maconha), delta9-tetrahidrocanabinol

Resultado de imagem para nicotina formula molecular

Figura 11 – Nicotina, (S)-3-(1-metil-pirrol-dinil)piridina

Por Carlos Eduardo Rocha
Licenciando em Química na Universidade do Estado de Santa Catarina


Momento Químico. Mundo da Química: Drogas. Projeto PRAPEG: Programa de Apoio ao Ensino de Graduação. UDESC – Joinville – Departamento de Química. Ano 2, Nº 11. Jun/Jul 2016. 1-8 p.

Referências

1 –KLTV. ETX teacher arrested for selling meth in school parking lot. 2012. Disponível em: , Acesso em: 15 de ago. 2016.

2 –GARRETT, Rafael. Metanfetamina. Química Nova Interativa. Disponível em: , Acesso em: 15 de ago. 2016.

3 – PERES, Mario. Neurotransmissores: Serotonina, Dopamina, Noradrenalina.2009. Disponível em: , Acesso em: 15 de ago. 2016.

4 – CORDÁS, Táki. Anfetaminas. 2011. Disponível em: , Acesso em: 15 de ago. 2016.

5 – FERREIRA, Aurélio B. de H. mini Aurélio: O minidicionário da língua portuguesa, Século XXI. Ed.5; p.267.  Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2001.

6 – OIGMAN, Silvia S. Safrol. Química Nova Interativa. Disponível em: >, Acesso em: 15 de ago. 2016.

7 –FENAPEF. SC foi o maior produtor da base do ecstasy. 2010. Disponível em: , Acesso em: 15 de ago. 2016.

8 – Golçalves, J. C. Tabela Atômica Interdisciplinar: Uma nova abordagem metodológica para o ensino de Química. Ed.34;p.53. Curitiba: Editora Atômica, 2010.

9 –MAAR, Juergen H. A química fina que poderia ter sido: a extração de óleo de sassafrás e de safrol no alto e médio vale do Itajaí. Scientiae Studia, São Paulo, v.10, n.4, 2012.

10 – VARELLA, Drauzio. Alcoolismo. 2011. Disponível em: , Acesso em: 15 de ago. 2016.

O que você achou desse artigo?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s